Brincar é coisa séria, confira dicas para você compartilhar este momento com seu filho

Campina Grande, 06/06/2013 - 17:07

Brincar é um processo de descoberta, que dá prazer, expressa sentimentos e estimula o aprendizado. É nas brincadeiras que as crianças descobrem as cores, texturas e sons, aprendendo a se comunicar com o mundo ao seu redor.

As etapas da brincadeira ocorrem naturalmente, não tendo um padrão rígido para “passar de fase”. Cada criança tem um ritmo e depende dos estímulos dos adultos para realizar as atividades.

O brincar é tão sério que, por unanimidade, a Assembleia Geral das Nações Unidas, no ano de 1959, estabeleceu, na Declaração Universal dos Direitos da Criança, que: toda criança tem direito ao lazer infantil.

Quando os pais brincam com a criança, além de afeto, amor e atenção, existe a troca de conhecimento, criando um vínculo indissolúvel pelo resto da vida.

Sobre o tema, a supervisora da Educação Infantil, Vládia Freire, fez as seguintes considerações:

Quando a criança brinca, ela, também, se expressa, comunicando-se com o mundo a sua volta. Ao escolher seus brinquedos, demonstra preferências e representa, no ato de brincar, sua realidade. Além disso, a brincadeira é alimento para a imaginação, para a criatividade, para a interação e, claro, para o desenvolvimento de muitas habilidades.

É nos momentos de brincadeiras, principalmente as que envolvem o jogo simbólico, aquele em que as crianças costumam imitar o que vivem, que é possível compreender como elas estão interpretando a realidade delas e o que está sendo mais marcante para elas no momento, facilitando para os adultos que as acompanham o entendimento de seus sentimentos, desejos e emoções.

A brincadeira é a linguagem mais clara que uma criança pode apresentar, por isso deve ser levada a sério. Nós, adultos, nos encantamos com o jeito das crianças se expressarem em momentos de descontração, porém, mais do que isso, devemos estar sempre muito atentos, seja para encontrar o ponto certo para estimular o raciocínio delas, a partir do momento em que se percebe um conflito, seja para tentar descobrir como encaixar uma pecinha ou para lhes ajudar a encontrar uma solução para a situação que criaram. Outras vezes, para entender a mensagem que querem passar através da forma como utilizam cada brinquedo ou da maneira como reagem diante das brincadeiras com os amigos.

Um momento de brincadeira para os adultos é, geralmente, algo natural e esperado, mas para as crianças, cada momento em que brinca é uma parte de sua vida que é construída.

 

Vládia repassa algumas dicas, para os pais aproveitarem, ainda mais, estes momentos junto aos filhos:

Ambiente – Para a criança brincar não há tempo, nem hora, pois, para ela, a brincadeira, ou melhor, o brincar, é, no momento, seu maior compromisso. Nesse sentido, é importante que ela tenha espaço livre, aconchegante, de forma que possa se movimentar, criar e se divertir com segurança.

Horário – Quando bebê, enquanto estão acordados, é possível e necessário brincar, uma vez que essa ação deve envolver outra pessoa que possa estimular o desenvolvimento de várias habilidades. Quando a criança já está na escola, o ideal é que ela possa ter uma rotina organizada de tal forma que consiga realizar sua brincadeira no tempo que estiver mais disposta, já que sua permanência nas aulas, também, lhe exige atenção, cumprimento de regras, atividades físicas e mentais.

Materiais - Para que a criança encontre condições favoráveis para o desenvolvimento da sua fantasia, é importante que possa ter acesso a diversos tipos de brinquedos, desde os mais coloridos e com objetivos claros, como os carrinhos, bonecas e bolas até aqueles que nem se parecem com brinquedos convencionais, como as sucatas e alguns objetos de uso real que não funcionam mais e nem oferecem riscos para a criança, como relógios, teclados de computadores, telefones com fio, etc. Brinquedos dessa natureza sempre ganham um espaço especial na vida das crianças, por permitirem a elas a representação do que vivem e a descoberta do mundo do qual fazem parte.

Envolvimento– A melhor companhia para a criança brincar são outras crianças, com as quais ela possa interagir espontaneamente, compreendendo o movimento da troca e aprendendo a agir de acordo com algumas regras de convivência. Como também, nesse processo de troca, se faz necessário o acompanhamento de um adulto que possa lhe garantir segurança, afeto e, claro, que esteja disposto e saiba incentivar sua imaginação, procurando participando desse momento com alegria e motivação.

* Vládia Freire é supervisora da Educação Infantil, do Colégio Motiva - Jardim Ambiental, em Campina Grande.


    Ascom CG